Horizonte, educação e comunicação
 
 
ONLINE

Ponto de ônibus curitibano transforma chuva em água potável

Durante quinze dias toda a chuva da cidade transformou-se em água para consumo da população

foto: Divulgação
Durante todos os dias a água passou por testes que certificavam se ela estava própria para o consumo (Imagem: Divulgação)

O calor é cada vez mais corriqueiro, tanto que, este ano, tivemos o mês de agosto mais quente da história. Desta forma é inevitável que sintamos sede em qualquer momento de nossas vidas. O problema é que em muito deles não temos acesso à água, como, por exemplo, quando estamos em um ponto de ônibus. Muitas vezes ficamos com a "vontade" de beber água por medo de sair comprar e perder o transporte, ou por não confiar na bebida que ambulantes vendem próximo aos pontos. Mas já imaginou se, de um jeito sustentável, tivéssemos sempre água, pronta para o consumo, ao nosso dispor, sem custos, em pontos de ônibus?

Para incentivar o consumo responsável dos recursos naturais, e o próprio consumo de água, uma marca de água mineral transformou um ponto de ônibus, da cidade de Curitiba (PR), em produtor de água potável. Além de purificar a água, o mobiliário passou a funcionar como bebedouro para a população.

A tecnologia foi instalada em frente a entrada de uma universidade, um dos pontos de maior movimento na capital paranaense, e ofereceu água da chuva, duplamente filtrada e ideal para o consumo humano, entre os dias 22 novembro e 5 de dezembro.

“Aliar campanhas inovadoras de mídia exterior a prestação de serviços para a sociedade está em nosso DNA. Com o purificador de água, contribuímos para o debate sobre sustentabilidade e o benefício social do uso consciente dos recursos naturais”, destaca Lizandra Freitas, general manager da empresa responsável pela ação.

Para que o projeto acontecesse, foi instalado um recipiente de coleta de água na parte superior do abrigo. Ali a chuva acumulada passava pela primeira etapa de purificação e limpeza de impurezas. Em seguida, era encaminhada para um novo processo onde se tornava limpa e própria para consumo.

Por fim, a água passava por um filtro bactericida e era disponibilizada para consumo da população, através do bebedouro instalado na parte interna do abrigo. Durante todos os dias a água passou por testes que certificavam que ela poderia ser consumida.

Destaques Horizonte:
Curitiba terá primeira ciclovia brasileira que gera energia
PET se transforma em lâmpadas
Bitucas de cigarro são utilizadas para criar tijolo sustentável

Publicado em 07/12/2016


 
 
 
 
 
Loading


Anuncie Edição do Mês
Anuncie
 
 
 
 
     
 
© 2017 Horizonte, educação e comunicação. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo