Horizonte, educação e comunicação
 
 
ONLINE

Produtores de lixo

Fotógrafo guarda todo o seu lixo, durante quatro anos, e produz série espetacular de imagens

foto: ©Antoine Repessé -365-Unpacked/Sony World Photography Awards
©Antoine Repessé -365-Unpacked/Sony World Photography Awards

Quantas coisas você descarta diariamente? Uma, duas? Não, muito mais. O brasileiro produz diariamente cerca de 1,5 quilos de resíduos, tanto orgânicos, quanto inorgânicos. Em cinquenta anos, cada cidadão do Brasil é capaz de gerar mais de 27 mil quilos de lixo. De toda esta quantia, menos de 10% é descartada de forma correta.

Se estes números já são assustadores, imaginem só em países mais “desenvolvidos”, como Estados Unidos e Noruega, que cada habitante é capaz de produzir 2,5 quilos de lixo diariamente e menos de 5% desta quantia é reciclada.

Uma diferença do lixo brasileiro, para o de países desenvolvidos é que nós geramos lixos orgânicos em grande quantidade – infelizmente – enquanto eles descartam grandes toneladas de plásticos e descartáveis, já que a maioria de seus produtos são industrializados.

Pensando nestes dados, que só tendem a aumentar, graças a todas as comodidades que procuramos, que sempre estão acompanhadas de embalagens, e que impactam diretamente ao meio ambiente – lembrem-se, em 2050 teremos mais plásticos do que peixes nos oceanos – o fotógrafo francês Antoine Repessé guardou todo o lixo que ele e seus amigos produziram durante quatro anos, para criar o projeto #365Unpacked.

O objetivo era mostrar a absurda quantidade de lixo e alertar as pessoas sobre este crescente problema global. “Espero que o meu projeto possa inspirar a mudança. Frequentemente lemos sobre a quantidade de resíduos que o mundo produz, mas acho que o impacto de uma imagem pode ser mais poderoso do que uma tonelada de palavras”, conta o fotógrafo.

Ao todo foram 70 m³ de lixo, em maior quantidade estavam as garrafas de leite (1.600), os rolos de papel higiênico (4.800) e os jornais (800 quilos). “Eu queria dar uma dimensão estética ao meu trabalho. A escolha de classificar o lixo dá um efeito gráfico. Eu tentei produzir uma imagem perfeita que evocasse algo perturbador”, explica Antoine.

Abaixo você pode ver a série de fotografias que nos mostram a impactante e triste realidade da produção de lixo mundial:

foto: ©Antoine Repessé -365-Unpacked/Sony World Photography Awards
©Antoine Repessé -365-Unpacked/Sony World Photography Awards

foto: ©Antoine Repessé -365-Unpacked/Sony World Photography Awards
©Antoine Repessé -365-Unpacked/Sony World Photography Awards

foto: ©Antoine Repessé -365-Unpacked/Sony World Photography Awards
©Antoine Repessé -365-Unpacked/Sony World Photography Awards

foto: ©Antoine Repessé -365-Unpacked/Sony World Photography Awards
©Antoine Repessé -365-Unpacked/Sony World Photography Awards

foto: ©Antoine Repessé -365-Unpacked/Sony World Photography Awards
©Antoine Repessé -365-Unpacked/Sony World Photography Awards

foto: ©Antoine Repessé -365-Unpacked/Sony World Photography Awards
©Antoine Repessé -365-Unpacked/Sony World Photography Awards

foto: ©Antoine Repessé -365-Unpacked/Sony World Photography Awards
©Antoine Repessé -365-Unpacked/Sony World Photography Awards

Destaques Horizonte para você:
Tomates, que iriam para o lixo, viram energia 
Para onde vai o nosso lixo? 
Lixo vira créditos no Bilhete Único 

Publicado em 26/04/2016


 
 
 
 
 
Loading


Anuncie Edição do Mês
Anuncie
 
 
 
 
     
 
© 2017 Horizonte, educação e comunicação. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial deste conteúdo